VIII SBSC - Simpósio Brasileiro de Sistemas Colaborativos

logotipo do SBSC & CRIWG

VIII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SISTEMAS COLABORATIVOS

5, 6 E 7 de outubro de 2011, Paraty - RJ

Apoio

Keynotes

Compreensão, Promoção e Apoio à Cultura de Participação.

Gerhard Fischer

Gerhard Fischer

 

Diretor do Centro para a Aprendizagem ao Longo da Vida e Design. Professor do Departamento de Ciência da Computação, e membro do Instituto de Ciência Cognitiva, todos pertencentes a Universidade de Colorado (EUA).

 

Membro Human Computer Interaction Academy (CHI) e da Association for Computing Machinery (ACM).

 

Suas linhas de pesquisa incluem: aprendizagem ao longo da vida, design, meta-design, design de software, criatividade, criatividade social, inteligência distribuída, interação homem-computador, e design para todos (tecnologias de apoio).

Abstract

Most interesting, important, and pressing problems facing our societies in the 21st century transcend the unaided individual human mind. They require collaborative systems to explore, frame, solve, and assess their solutions. Cultures of participation represent foundations for the next generation of collaborative systems by supporting all stakeholders to participate actively in personally meaningful problems. Our research in the Center for LifeLong Learning & Design (L3D) explores theoretical foundations and socio-technical environments for understanding, fostering, and supporting cultures of participation. We have explored several major themes over the last decade including:

  • Meta-design, focused on "design for designers", and aimed at defining and creating social and technical infrastructures in which new forms of collaborative learning and working can take place; and

  • Social creativity, focused on transcending the individual human mind by exploiting transdisciplinary collaboration, and aimed at capturing, negotiating, and sharing knowledge generated by work done within communities. The presentation will illustrate these objectives and themes with specific examples and articulate their relevance for understanding, fostering, and supporting cultures of participation.

 

Acesso ao site de Gerhard Fischer

 

 

Computador como meio de expressão: novas falas na contemporaneidade.

Clarisse Sieckenius de Souza

Clarisse Sieckenius de Souza

 

Clarisse Sieckenius de Souza graduou-se como Tradutora e Intérprete de Conferência pela PUC-Rio, onde também obteve título mestrado em Português e doutorado em Lingüística Computacional.

 

Em 1988 ela entrou para o Departamento de Informática da PUC-Rio, onde começou na área de Interação Humano-Computador. Clarisse também é professora visitante em diversas universidades e institutos, como Stanford (com Terry Winograd), University of Waterloo (com Tom Carey), e UMBC (com Jenny Preece).

 

Em 1996, ela fundou SERG (Grupo de Pesquisa em Engenharia Semiótica), que desenvolve pesquisa de ponta em IHC, Engenharia Semiótica e Lingüística Computacional.

Resumo

Saber expressar-se por meio de computadores é hoje tão importante para uma participação social como saber ler, escrever e contar. Poder compor programas de computador para comunicar o que queremos dizer vem se tornando tão importante para o exercício de uma cidadania plena no mundo de hoje quanto poder manejar palavras e números tem sido, há séculos, em todas as sociedades letradas.

Nesta palestra, vou explorar uma interpretação semiótica de programas e programação de computadores, utilizando como principais exemplos práticos elementos de dois projetos de pesquisa realizados no SERG, o Grupo de Pesquisa em Engenharia Semiótica da PUC-Rio. No primeiro, proponho que os mesmos fenômenos verificados quando adolescentes estão em processo de aprender a programar jogos em computador podem ser observados quando projetistas e desenvolvedores profissionais constroem complexos sistemas interativos. No segundo, proponho que a comunicação mediada por computador ganhou recentemente formas e moldes que claramente sustentam o tema central desta palestra, o de que um letramento 'computacional' (algo diferente do 'alfabetismo digital') é um requisito indispensável para uma expressão efetiva nos discursos sociais contemporâneos.

Para concluir, argumentarei que uma perspectiva semiótica sobre computação pode engajar legitimamente especialistas em informática em um espectro muito mais amplo de discussões (e responsabilidades) do que até hoje foi o caso.

 

Abstract

Knowing how to express ourselves through computers is now as important for social participation as knowing how to do it through reading, writing and counting. Being able to put computer programs together in order to /communicate what we mean/ becomes as important to achieve full citizenship in most contemporary societies as knowing how to use words and numbers has been in literate societies for many centuries.

In this talk I will explore a semiotic interpretation of computer programs and computer programming, drawing the main practical examples from two research projects carried out at SERG, the Semiotic Engineering Research Group of the Department of Informatics at PUC-Rio. In the first case, I propose that the same semiotic phenomena verified with teenagers engaged in learning how to program computer games is in place when professional designers and developers build complex interactive systems. In the second, I propose that computer-mediated communication has recently gained shapes and modes that clearly support the keynote of the talk, that 'computing' literacy (something other than 'digital literacy') is an absolute requirement for effective expression in contemporary social discourse.

In conclusion, I will argue that a semiotic perspective on computing can legitimately engage computer experts in a much broader spectrum of discussions (and responsibilities) than we have seen to-date.

Acesso ao site de Clarisse Sieckenius de Souza